As facetas do neuromarketing

Sabia que há uma ciência dedicada a investigar as reações do cérebro diante de determinados estímulos visuais, olfativos, degustativos e tatéis? Seu nome é neuromarketing.

Com ela, várias empresas começam a decifra o que realmente interessa e sensibiliza um possível cliente no exato momento da compra. E tendo essa valiosa informação em mãos, providenciar mudanças em suas estratégias de negócio poderá ser, em boa parte, uma conduta mais assertiva e bem planejada.

Quem acompanha os estudos já realizados nessa área indica que não raro os relatórios de diagnósticos expõem descobertas revolucionárias, ocasionando mudanças no design do produto, na cor da embalagem e até no nome da marca entre outros detalhes. Várias dessas informações são captadas de forma subliminar.

Como é feito o teste

Isso porque os testes de neuromarketing são feitos com o apoio de uma série de equipamentos que captam dados provindos em boa parte do subconsciente.

Na prática, a equipe responsável pela aplicação dos testes costuma escalar uma série de candidatos para participar da pesquisa. Todos os participantes recebem em seus corpos uma série de sensores de eletroencefalograma e monitores de batimentos cardíacos e movimentação ocular.

Depois, em grupo ou de forma individual, eles são expostos a imagens, sons, aromas demonstrando assim suas percepções e reações.

 

Instigante, essa técnica merece uma atenção especial dos empreendedores. Por isso, a ComSchool oferece um curso dedicado exclusivamente ao Neuromarketing.

Nele, você se familiariza com os principais conceitos de neuromarketing; as estratégias de comunicação baseadas nas informações captadas nas pesquisas entre outros atributos.

 

Fonte:

Quartel Digital

Economia | UOL