O que é Mídia Programática?

Por Eduardo Sani*

Mídia programática, como o próprio nome sugere, é uma maneira programada de comprar e vender mídia através de uma ferramenta.

Escolhendo não mais o canal que irá veicular a mídia e sim o perfil do consumidor e determinar quando pagar por ele.

Compra programática:

Compra programática é quando você utiliza um sistema ou ferramenta para fazer uma compra.

Exemplo:

Você acessa um e-commerce especializado e compra um sapato ou camiseta de futebol, isso é uma compra programática!

Como é e como funciona esse programa e sistema?

midia programatica o que e

Vamos a SOPA de letrinhas

Ad Exchange: são redes de leilão de inventário, que funcionam nos moldes da Bolsa de Valores. Nesses ambientes, você compra audiência em tempo real. Um exemplo: Quero só perfis de homens de 30 a 40 anos que gostem de futebol e tenham nível superior.

Ad Network: são agregadores de conteúdo, que se plugam às Ad Exchanges. Podem ser horizontais, que agrupam os canais por tipo de conteúdo, ou verticais, que só comercializam um assunto.

RTB (real-time bidding): É a expressão que define o modelo de comprar mídia em leilões em tempo real.

DSP (demand-side plataform): Plataforma que auxilia o comprador. “Eu quero comprar a mulher de 34 anos que tenha navegado no Bolsa de Mulher no último mês. . A plataforma, então, se conecta com a Ad Exchange e mostra onde essas mulheres estão”.

SSP (sell-side plataform): Para os veículos, é o correspondente da DSP. A plataforma olha para todos os inventários em tempo real, integra as várias praças do mercado e mostra qual é a mais interessante naquele momento.

ATD (agency trading desks): O comprador pode efetuar a compra diretamente, via agência ou por meio de trading desks, que são mesas de operação.

 Tem um jeito mais fácil de entender a Mídia programática?

midia programatica

Um exemplo:

Objetivo: Vender uma sala comercial no bairro: Lapa

Target: Homens, Dentistas, 25 a 35 anos, São Paulo – SP

Veja o video:

Quais são as vantagens da Mídia Programática?

  • Aumento no tempo da equipe de mídia direcionado para o planejamento e estratégia da campanha e diminuição do tempo operacional da equipe de mídia com a compra de pacotes;
  • Escalabilidade dos seus recursos, permitindo-os absorver maior volume de demanda.
  • Maior assertividade na entrega da campanha para o target estabelecido com o cliente, rentabilizando os custos de conversão (CPC, CPA, CPL, CPV, ROI etc).
  • Melhoria na gestão da sequência criativa impactando os usuários em diferentes formatos de entrega, como display, social, vídeo, etc.

Quais os tipos de compra de Mídia Programática?

• Pode-se comprar: Display, Vídeos, Social, Mobile de duas formas:

Não Reservado

Inventário dentro das Ad Exchange, qualquer pessoa com acesso a uma DPS consegue comprar.

Reservado

Negociação através de uma DSP, porém você tem preferencia na compra daquele inventário, chamado de Private Deal ou Private Ad Exchange.

Quais as formas de pagamento Mídia Programática?

FIXO

Compra através de CPM (custo por mil Impressões)

Leilão

Compra através de RTB ( real-time bidding)

Como medir o resultado da Mídia Programática?

Depende de N fatores, vamos a eles:

Como você compra / qual seu KPI / qual seu objetivo final

Quem são as DSPs do Mercado?

DSP do mercado

 Qual é o futuro da Mídia Programática?

comprar midia programatica

Nos EUA, 8% dos executivos compram mídia programática para TV

Fonte: Emarketer

A empresa TapSense anunciou recentemente o lançamento de um ad exchange específico para o Apple Watch.

midia programatica relogio

Experimente o nosso café de Graça antes das 10h.

midia programatica relogio1

Mais novidades de Mídia programática:

Ponto Frio, Casas Bahia e Extra criam unidade de venda de publicidade programática a Cnova

midia programatica varejo

O que é?

Comercialização de espaços publicitário no e-commerce do grupo – seja nos sites da Casas Bahia, Extra ou Ponto Frio.

Anunciantes:

Samsung, LG, Microsoft, Apple, Motorola, Nokia, Google, Brastemp, Unilever, entre outros.

A empresa também aceitará anunciantes que operam em outros mercados.

 

Por Eduardo Sani – Fundador da Uselink, formado em publicidade e propaganda pela FAM e pós-graduado em Marketing na FAAP, passou por grandes agências de publicidade de São Paulo, atua com marketing digital há 10 anos e se especializou no segmento imobiliário por oportunidades do mercado.

Publicado originalmente na Uselink.